Notícias
14/03/2018 | Sócios de empresa são absolvidos da acusação de apropriação indébita previdenciária devido a grave situação financeira enfrentada
22/02/2018 | STJ define conceito de insumo para creditamento de PIS e Cofins
26/01/2018 | Lojas Leader tem plano de recuperação judicial rejeitado
11/01/2018 | Com dívidas de mais de R$ 1 bilhão, Brasil Pharma pede recuperação judicial
08/01/2018 | Justiça aprova plano de recuperação judicial da Oi
14/12/2017 | Plano da Oi tem maior corte em dívida já registrado
14/12/2017 | Tanure tenta anular proposta da tele na Justiça
06/12/2017 | Seminário do escritório Caprara Roesch sobre reforma trabalhista supera todas as expectativas
03/12/2017 | Estatal com prejuízo terá plano de recuperação
22/11/2017 | 1º Seminário Caprara Roesch Advogados
13/11/2017 | Nancy defende contagem em dias úteis para blindagem em recuperação judicial
12/11/2017 | Administrador judicial deve ser protagonista na recuperação judicial
10/11/2017 | Reforma na recuperação
07/11/2017 | Financiador poderá ter prioridade em processo de recuperação judicial
07/11/2017 | Fisco dará mais prazo a empresas em recuperação judicial
06/11/2017 | Leis sancionadas permitem parcelamento e desconto de dívidas de pessoas e empresas com o governo
26/10/2017 | Projeto quer ampliar possibilidades de pedidos de recuperação judicial
24/10/2017 | O critério tetrafásico de controle judicial do plano de recuperação judicial
20/10/2017 | Assembleia de credores da Oi é adiada
09/10/2017 | Projeto cria plano de recuperação judicial de dívidas de pessoas físicas
06/10/2017 | TJ-SP instala duas varas empresariais em dezembro
25/09/2017 | Vem aí a nova Lei de Recuperação Judicial e Falências
16/09/2017 | Nova lei de recuperação judicial deve beneficiar 7 mil empresas
04/09/2017 | Pedidos de recuperação judicial sobem 25,5% em agosto
28/08/2017 | A perícia prévia no processo de recuperação judicial de empresas
23/05/2017 | Credores aprovam venda de imóvel da Schlösser por R$ 25 milhões
19/05/2017 | Sindicatos negociam com grupo de empresários venda de imóvel da Schlösser
15/05/2017 | Pedidos de recuperação judicial disparam em Caxias do Sul
26/01/2017 | Digimer pede recuperação judicial com dívidas de R$ 15 milhões
12/01/2017 | Pedidos de recuperação judicial batem recorde

10/11/2017 | Reforma na recuperação

Mudanças na recuperação judicial podem tornar mais fácil encontrar soluções para empresas em dificuldades

Aprovada em 2005, a Lei de Falências modernizou a salvação das empresas em dificuldade, ao transformar a antiga concordata em recuperação judicial. Mais rápida e menos burocrática, a recuperação prometia elevar a taxa de sobrevivência das empresas que a ela recorressem. O número de empresas que pedem recuperação vem crescendo, especialmente após a crise dos últimos anos, e Judiciário defere quase todos os pedidos (observe o gráfico abaixo). Porém, 12 anos depois, a taxa de sucesso das recuperações ainda é baixa, pois os processos são demorados. Para mudar isso, o governo quer reformar a lei.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, na terça-feira 7, que um projeto para atualizar a lei será enviado ao Congresso neste mês. A proposta vem sendo discutida por técnicos do governo. “O projeto trará medidas que vão facilitar a recuperação das micro e pequenas empresas, que representam mais da metade das companhias no País”, disse Meirelles em um evento em São Paulo. Ele afirmou que as mudanças vão tornar o processo mais eficiente. “Hoje, temos dois problemas: a não recuperação rápida de empresas viáveis e a não liquidação rápida de empresas inviáveis”, disse o ministro. “É importante que as empresas viáveis voltem a produzir logo, e consolidem o processo de recuperação econômica do País.”

Algumas das mudanças já são conhecidas. Muitas delas são ajustes nos trâmites, para tornar o processo mais simples. Por exemplo, dispensar a empresa em recuperação de publicar um edital detalhado, e permitir que os credores e demais partes interessadas realizem votações eletrônicas. A proposta também prevê o encerramento da recuperação judicial assim que o juiz confirmar a aceitação do plano pelos credores. Hoje, a empresa permanece em recuperação por até dois anos após a confirmação judicial, o que dificulta a volta dos negócios à normalidade. “É como realizar uma cirurgia bem-sucedida em um paciente e depois deixá-lo internado no hospital por mais dois anos”, diz o advogado Cássio Cavalli. “Isso aumenta o risco de ele contrair uma infecção e morrer.”

As alterações mais importantes, porém, referem-se ao calcanhar de Aquiles das empresas em recuperação: o acesso a capital para manter o negócio funcionando. “Sem dinheiro novo, a empresa não se recupera”, diz o advogado Jairo Saddi, especializado em falências. “Quando chega ao ponto de pedir recuperação judicial, ela já consumiu todos os seus recursos, todas as linhas de crédito e tudo o que pode ser dado em garantia.” Uma das soluções é aumentar o interesse por ativos da empresa em recuperação que podem ser vendidos, blindando esses bens dos riscos de sucessão em processos trabalhistas e fiscais.

O espírito da lei aprovada em 2005 visava alinhar os interesses dos credores com os dos controladores da empresa, mas a ordem de pagamento das dívidas acabou tornando essa mudança inócua. “Quem concede empréstimos a companhias nessa situação vai para o fim da fila dos credores e, assim, corre um sério risco de não receber”, diz o consultor Telmo Schoeler, presidente da Orchestra Soluções Empresariais. “Crédito novo é fundamental para a recuperação, e quem o concede deve ser privilegiado.” Não por acaso, uma das principais mudanças é a criação de uma categoria especial de credores, que receberiam o nome técnico de extra-concursais. A denominação assustadora é simples de explicar. “Ao emprestar dinheiro novo para a empresa, os credores extra-concursais vão para o início da fila na hora de receber”, diz Saddi.

Os advogados avaliam que essa deverá ser uma das alterações mais difíceis de ser aprovada no Congresso, com o argumento que ela pode prejudicar os trabalhadores. Parte mais frágil do processo, eles são protegidos pela lei atual e recebem em primeiro lugar no caso de a empresa em recuperação não sobreviver. Mudar isso será difícil, mas essencial, diz Saddi. “Fisco e trabalhadores não vão gostar de ver alguém passar à frente na fila dos pagamentos, mas a verdade é que, sem dinheiro novo, a empresa não sobrevive.”

 

Fonte: https://www.istoedinheiro.com.br/reforma-na-recuperacao/

Autor: Cláudio Gradilone