Notícias
14/03/2018 | Sócios de empresa são absolvidos da acusação de apropriação indébita previdenciária devido a grave situação financeira enfrentada
22/02/2018 | STJ define conceito de insumo para creditamento de PIS e Cofins
26/01/2018 | Lojas Leader tem plano de recuperação judicial rejeitado
11/01/2018 | Com dívidas de mais de R$ 1 bilhão, Brasil Pharma pede recuperação judicial
08/01/2018 | Justiça aprova plano de recuperação judicial da Oi
14/12/2017 | Plano da Oi tem maior corte em dívida já registrado
14/12/2017 | Tanure tenta anular proposta da tele na Justiça
06/12/2017 | Seminário do escritório Caprara Roesch sobre reforma trabalhista supera todas as expectativas
03/12/2017 | Estatal com prejuízo terá plano de recuperação
22/11/2017 | 1º Seminário Caprara Roesch Advogados
13/11/2017 | Nancy defende contagem em dias úteis para blindagem em recuperação judicial
12/11/2017 | Administrador judicial deve ser protagonista na recuperação judicial
10/11/2017 | Reforma na recuperação
07/11/2017 | Financiador poderá ter prioridade em processo de recuperação judicial
07/11/2017 | Fisco dará mais prazo a empresas em recuperação judicial
06/11/2017 | Leis sancionadas permitem parcelamento e desconto de dívidas de pessoas e empresas com o governo
26/10/2017 | Projeto quer ampliar possibilidades de pedidos de recuperação judicial
24/10/2017 | O critério tetrafásico de controle judicial do plano de recuperação judicial
20/10/2017 | Assembleia de credores da Oi é adiada
09/10/2017 | Projeto cria plano de recuperação judicial de dívidas de pessoas físicas
06/10/2017 | TJ-SP instala duas varas empresariais em dezembro
25/09/2017 | Vem aí a nova Lei de Recuperação Judicial e Falências
16/09/2017 | Nova lei de recuperação judicial deve beneficiar 7 mil empresas
04/09/2017 | Pedidos de recuperação judicial sobem 25,5% em agosto
28/08/2017 | A perícia prévia no processo de recuperação judicial de empresas
23/05/2017 | Credores aprovam venda de imóvel da Schlösser por R$ 25 milhões
19/05/2017 | Sindicatos negociam com grupo de empresários venda de imóvel da Schlösser
15/05/2017 | Pedidos de recuperação judicial disparam em Caxias do Sul
26/01/2017 | Digimer pede recuperação judicial com dívidas de R$ 15 milhões
12/01/2017 | Pedidos de recuperação judicial batem recorde

08/01/2018 | Justiça aprova plano de recuperação judicial da Oi

Apesar de dar sinal verde ao plano, juiz colocou algumas ressalvas aos termos de reestruturação; plano é considerado uma etapa essencial para evitar a falência ou a intervenção na empresa.

 A Justiça do Rio de Janeiro aprovou nesta segunda-feira (8) o plano de recuperação judicial da Oi aprovado no final do ano passado pela assembleia de credores da operadora.

Embora tenha dado sinal verde para a aplicação do plano, o juiz responsável pelo processo aprovou os termos da reestruturação com algumas ressalvas, entre elas a invalidação de anexo que previa o reembolso "de despesas incorridas pelos credores na busca pela satisfação de seus créditos" e a extensão do pagamento de comissão prevista em capitalização futura "a todos os credores nas mesmas condições".

"Eesclareço que a vontade soberana dos credores deve ser integralmente respeitada, sendo até mesmo vedada a prática de qualquer ato - seja por acionista, membro do conselho ou administrador da companhia - que tenha o fim de inviabilizar o cumprimento do plano de recuperação aprovado", destacou o juiz Fernando Cesar Ferreira Viana, da 7ª Vara Empresarial.

Na sentença, o juiz destacou ainda que cabe ao presidente do Conselho de Administração da Oi "dar imediato e efetivo cumprimento ao plano aprovado, tão logo homologado, assegurando, dentre outras, as condições provisórias de governança corporativa e conversão de dívida em ações, conforme manifestação soberana dos credores".

Veja os principais pontos do novo plano de recuperação:

  • conversão da dívida até o limite de 75% do capital da operadora, permitindo que a Oi seja efetivamente adquirida pelos credores.
  • redução da dívida financeira em cerca de 50%, de R$ 49,4 bilhões para R$ 23,9 bilhões.
  • aporte de R$ 4 bilhões de recursos novos por credores e acionistas e possibilidade de capitalização de R$ 2,5 bilhões adicionais via mercado de capitais.
  • comissão aos credores e acionistas que participarem da capitalização no percentual de 8% em dinheiro ou 10% em ações.
  • pagamento da dívida com a Anatel em 20 anos, em parcelamento indexado à Selic e não mais pelo IPCA.
  • pagamento das dívidas trabalhistas em 5 parcelas mensais, após 6 meses de carência
  • pagamento da dívida com o BNDES em 15 anos, após 6 anos de carência, com taxa de juros inxexada em TJLP + 2.94% ao ano.
  • pagamento da dívida com bancos em 17 anos, após 5 anos de carência, com taxa de juros de até 1,75% ao ano para dívida em dólar.

Também nesta segunda-feira (8), o grupo português Pharol, maior acionista do grupo em recuperação judicial, convocou uma assembleia extraordinária de acionistas da operadora brasileira para 7 de fevereiro, afirmando que a aprovação de plano de recuperação da empresa violou as regras da companhia.

"A Pharol entende que o plano de RJ não está em conformidade com a governança estabelecida no estatuto social da Oi em vigor, em oposição direta aos direitos dos acionistas", afirmou o grupo português. A participação detida pela Pharol na Oi, de 27,5% das ações ordinárias da operadora, é oriunda da fracassada fusão da companhia brasileira com a Portugal Telecom em 2014.

Aprovação do plano

Em dezembro do ano passado, os credores da Oi aprovaram o plano de recuperação judicial da empresa, considerado uma etapa essencial para evitar a falência ou a intervenção do governo federal na Oi.

A Oi tem dívidas de mais de R$ 64 bilhões e 55 mil credores, que incluem detentores de títulos de longo prazo da empresa (os chamados bondholders), além de representantes de órgãos e instâncias do governo federal como Agência Nacional de Telecomunicações, Banco do Brasil, Caixa e BNDES.

Caso a assembleia rejeitasse o plano de recuperação, o futuro da operadora estaria ameaçado por um processo de falência. Com a aprovação, uma injeção de capital de R$ 4 bilhões poderá ser feita na operadora até o início de 2019.

A nova versão do plano combinada na assembleia ajustou taxas de juros e incluiu prazo limite de 28 de fevereiro de 2019 para esse aumento de capital na empresa.

Além disso, incluiu-se determinação para que no primeiro ano após a homologação da recuperação judicial a diretoria executiva seja mantida na forma atual, mas a partir daí haverá uma transição na gestão a ser definida pelo conselho de administração transitório formado por seis integrantes do conselho atual e 3 indicados por credores com aprovação pela Anatel.

A aprovação do plano, no maior processo de recuperação judicial da história da América Latina, encerrou uma saga de 18 meses marcada por idas e vindas entre acionistas interessados em manter controle sobre a maior parte possível da operadora e credores que acabaram reduzindo sua oferta de conversão das dívidas de 85% para 75% do capital da companhia.

Antes da aprovação, houve sucessivos adiamentos da assembleia de credores, diante de um impasse entre os acionistas da companhia e os donos da dívida.

 

Fonte: https://g1.globo.com/economia/noticia/justica-aprova-plano-de-recuperacao-judicial-da-oi.ghtml